Descrição do Programa

O VivaVôlei é um Programa de iniciação ao voleibol cuja diretriz é educar e socializar meninos e meninas de 7 a 14 anos através do esporte. O Projeto foi iniciado em 1999 pela Confederação Brasileira de Voleibol, a entidade máxima da modalidade no país e em 2003 a CBV criou o Instituto VivaVôlei, que é qualificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), para gerenciar o Programa.

No Brasil, a organização do voleibol é reconhecida como a melhor nos esportes nacionais, contando também com o reconhecimento e admiração irrestrita do povo brasileiro. Em 2003, a Confederação Brasileira de Voleibol recebeu o certificado ISO 9001:2000, concedido por sua excelência em Gestão Esportiva, sendo a primeira entidade de administração esportiva do mundo a receber tal reconhecimento.

O Ministério da Justiça, por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública, integrou o VivaVôlei ao Plano Municipal de Ordem Pública, como atividade de prevenção à violência e de integração social da criança e do adolescente.

O programa VivaVôlei instituiu, para educar e socializar e para a aprendizagem do voleibol, o “mini-vôlei” como um método de iniciação simplificado e adaptado às capacidades e necessidades das crianças, tendo como princípio básico a formação lúdica, com formação de turmas mistas de crianças de 07 a 14 anos, adequação do tamanho da quadra, do peso da bola, altura da rede e das regras do jogo a esta faixa etária. Através de sua força atrativa e complexidade psicomotora, esta atividade auxilia no ensino esportivo, contribuindo para o desenvolvimento físico, social, intelectual e emocional da criança, dentro de princípios de estímulo ao espírito de cooperação e a competições não-agonísticas.

O Instituto VivaVôlei administra uma rede de Centros para a prática do mini-vôlei, e é responsável pela entrega e reposição periódica do kit VivaVôlei, além do fornecimento de material técnico, supervisão dos Centros, treinamento e acompanhamento pedagógico dos professores.

O VivaVôlei está presente em todas as regiões do Brasil. Atualmente, são mais de 70 Centros em atividade, atendendo à cerca de vinte e cinco mil crianças e adolescentes de comunidades carentes em 17 estados brasileiros, gerando cerca de trezentos e cinqüenta empregos diretos e indiretos. As escolas atendidas apresentam, como diferencial, o fato de serem as únicas devidamente aparelhadas para o ensino do mini-vôlei ao público infantil no Brasil.

A coordenação do Programa está freqüentemente criando eventos que estimulem a integração entre os participantes, com ênfase no processo educativo e suas extensões no meio social. As ações relacionadas ao esporte são aquelas que têm apresentado maior resultado nos aspectos ligados à socialização, em especial no que se refere à criação de novos modelos para a prevenção e tratamento dos danos às crianças e adolescentes, causados pelos problemas sócio-econômicos. A escolha da modalidade esportiva deve considerar, primordialmente, sua aceitação pela comunidade a ser assistida.

O voleibol, segundo pesquisa da Datafolha, é o segundo esporte de maior aceitação entre os jovens no Brasil, tendo o crescimento de sua preferência superado o do futebol no período de 1998 a 2000. A mesma pesquisa evidencia, ainda, que os mais jovens são o que mais gostam do voleibol, especialmente os compreendidos na faixa etária de 12 a 18 anos, chegando a ser praticado por 15% da população pesquisada.

O voleibol é hoje um dos esportes mais divulgados pela mídia e oferece uma alternativa para a questão social das crianças carentes, tornando as escolas mais atrativas, reduzindo a evasão escolar e a permanência das crianças nas ruas e contribuindo para a sua reintegração social.

A prática do esporte com tamanho prestígio e popularidade fortalece a auto-estima, cria o hábito do trabalho em equipe, estimula a disciplina e a organização. Todos estes fatores contribuem para a formação da cidadania. É um esporte sem violência e que pode ser praticado por todas as faixas etárias e classes sociais.

O VivaVôlei foi criado para satisfazer as necessidades de diversão, movimento e integração das crianças brasileiras, visando ampliar, da esfera esportiva à social, os princípios fundamentais do esporte através da contribuição no desenvolvimento integral e na construção de valores éticos e morais de seus praticantes. O Instituto VivaVôlei pretende, a partir desta estratégia, estabelecer laços afetivos espontâneos e indissolúveis das crianças com o esporte por toda a vida.

Os professores do VivaVôlei são mais que instrutores da prática do voleibol, são verdadeiros educadores. O processo pedagógico do VivaVôlei é baseado na essência lúdica do jogo. Os principais objetivos do projeto são: ensinar o voleibol a todos, com isso transmitir a idéia de democratização; ensinar bem o voleibol a todos, transmitindo para as crianças uma visão da qualidade; ensinar mais do que o vôlei, respeitando assim a idéia filosófica do projeto; e ensinar as crianças a gostar do esporte, refletindo o bem estar social em cada um dos alunos.

Com isso, o VivaVôlei transcende ao que muitos pensam ser somente um programa esportivo. Na realidade, o VivaVôlei é um programa social que utiliza o esporte como ferramenta de educar e socializar as crianças, cumprindo assim o dever que a constituição brasileira estabelece: "o esporte é um direito de todos".

Após o sucesso até então obtido pelo Programa VivaVôlei, torna-se necessária a instalação e manutenção de novos Centros, ampliando o alcance e abrangência das suas atividades e benefícios sociais.

Principais objetivos do Programa VivaVôlei:

 - Atender às comunidades de baixa renda em todo o Brasil

 - Educar e socializar as crianças através do esporte

 - Reduzir a evasão escolar

 - Promover a integração e inserção social

 - Afastar as crianças da criminalidade e das drogas

 - Ensinar os valores éticos e morais da cidadania através do esporte

 - Difundir e democratizar a modalidade voleibol em todo o Brasil

 - Estimular o aprendizado do voleibol nas escolas, clubes, praças e condomínios