Notícias

Medalhista olímpica Ágatha visita núcleo recém-inaugurado no Terreirão

Ágatha passou a tarde com as crianças do núcleo Terreirão Ágatha passou a tarde com as crianças do núcleo Terreirão Divulgação/CBV

A medalhista olímpica e campeã mundial de vôlei de praia Ágatha Bednarczuk fez a alegria de dezenas de crianças na tarde da última quinta-feira (30.03). A atleta visitou o núcleo do projeto social VivaVôlei/Terreirão, com patrocínio da Light S/A, inaugurado em fevereiro deste ano. O projeto localizado na zona Oeste do Rio de Janeiro visa atender crianças da região, preferencialmente as que estejam matriculadas nas escolas municipais.

 

A recepção foi marcada por muita alegria, com direito a cartazes e música cantada em coro para a paranaense que mora no Rio de Janeiro. Ágatha jogou vôlei, abraçou, tirou fotos e conversou com os jovens e alguns pais de alunos, transmitindo palavras de incentivo e destacando a importância do esporte e da educação na formação de cada indivíduo.

 

“Saio com uma energia renovada, é um troca de carinho muito grande, uma experiência muito especial. Muitas vezes o que uma criança precisa é de atenção, carinho e motivação. Procurei dizer algumas palavras sobre a importância dos estudos, que é a base. Tenho meu projeto social em Paranaguá que atende centenas de pessoas e sou apaixonada por esse contato, com a oportunidade de colaborar com o próximo e transformar pelo esporte”, disse Ágatha.

 

O núcleo está implantado no coração da comunidade, na rua 8W s/nº, com aulas às terças-feiras e quintas-feiras, em turnos matutinos e vespertinos, atendendo mais de 100 crianças de sete a 14 anos. A quadra conta com iluminação, possibilitando mais horários.  

 

O coordenador do Instituto VivaVôlei, Marco Aurélio Gonçalves, também comemorou a visita da medalhista e os bons resultados do núcleo, que começou a funcionar recentemente.

 

“É uma experiência significativa para as crianças, que ficam motivadas e mantém a participação. A inauguração contou com duas atletas da equipe de voleibol do Fluminense, Renatinha e Ju Odilon, e agora com a visita da Ágatha, sei que será um atrativo para os jovens da comunidade. Além da presença fundamental dos parceiros que possibilitam essa estrutura, caso da Light S/A”, destacou Marco Aurélio.

 

Os interessados em participar do projeto devem estudar em escolas públicas da região e comparecer às 8h ou às 18h, acompanhados pelo responsável e munidos de RG e comprovantes de residência e escolar. O programa VivaVôlei foi iniciado em 1999 pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), e hoje conta com núcleos espalhados por 17 estados brasileiros.